Dia a dia

Downhill pela estrada da morte

18 de June de 2013
miniatura_17_06

Fechamos na noite anterior um downhill pela estrada da morte. Acordamos as 6am e fomos caminhando até a operadora do tour, El Solario, para tomar café da manhã e conhecer os outros loucos que fariam o passeio.

Tinham pessoas de vários países – Chile, Dinamarca, França e Inglaterra, além de nós Brasileiros. Após o café da manhã, cada um recebeu um pacote com capacete, luvas, cotoveleira, joelheira, camiseta de bike, blusa e calça. Experimentamos e com tudo certo já entramos na van que nos levaria a La Cumbre (4.700m acima do nível do mar), nosso ponto de partida. Eu e a Cau ficamos vislumbrados com o visual e a quantidade de montanhas cobertas por gelo, lindo! 

Monatanhas nevadas!

Monatanhas nevadas!

Eu e a Cau, prontos para descida.

Eu e a Cau, prontos para descida.

Bikes devidamente testadas e nós equipados iniciamos a descida, ao total são mais de 65 km de descida, os primeiros em trecho asfaltado onde facilmente atingimos 60km/h. Após passarmos por um posto policial de controle contra o narcotráfico descemos mais alguns kilometros ate a vila de Undavi, onde paramos para pagar a taxa de entrada da região e comer (incluso no passeio). De lá até Chuspipata – início da estrada de terra – fomos de carro.

A 4 Pés sentados no penhasco.

A 4 Pés sentados no penhasco.

O maior trecho e até o mais perigoso começou ainda bem frio. Eu fui a frente para filmar alguns trechos, a sensação da velocidade com o frio é maravilhosa. Ao longo da estrada de mais de 60km houveram várias paradas para tirarmos fotos e comer alguma coisa, foi difícil passarmos mais de 15 minutos em cima da bicicleta.

Muita neblina na estrada

Muita neblina na estrada

A estrada é pouco usada hoje em dia, pois há uma estrada nova e pavimentada, mas havia tido um deslizamento nessa estrada e ela estava fechada. Todo o trânsito se desviou pela estrada da morte o que tornou a descida um pouco mais perigosa.

Ao longo da estrada a mão é inglesa – se desce pela esquerda – e cada vez que vinha um veículo ficávamos bem próximos do precipício. Os motoristas das vans, que nos apoiam durante toda a descida sempre nos avisam quando um caminhão grande se aproxima dando tempo para achar um lugar mais seguro para esperar, afinal a preferência é de quem sobe.

A mais perigosa e famosa curva do percurso

A mais perigosa e famosa curva do percurso

Chegamos na vila de Yolosa por volta de meio dia e tomamos uma cerveja boliviana para comemorar, se chamava Judas, mais forte e uma das melhores que tomamos aqui.

Da vila seguimos até o um restaurante para almoçar e tomar banho (também incluso no passeio) antes de voltar a La Paz. Como a estrada nova estava fechada, subimos pela estrada da morte, eu e a Cau quase passamos mal de tanto que o veículo pulava. Durante o caminho ainda reparamos que não sabíamos onde estava nosso GPS, felizmente após chegar a agência o motorista nos ajudou a encontrar, estava embaixo da borracha dos pés no fundo do carro. Final feliz para um dia cansativo porém recompensador.

Final feliz!

Final feliz!

 

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply elisangela selau 8 de July de 2016 at 15:38

    Oie, tudo bem vou fazer o down hill agora dia 23, por acaso tu tem o contato dessa agencia, pesquisei e sei que é uma das mais baratas. Vou chegar de Uyuni as 8hs da manhã, dai queria pedir pra me buscarem direto na rodoviária, não quero ficar um dia sem fazer nada em lima, se tu tiver o whats ou o e-mail da agencia me ajuda muito, beijos

    • Reply Marcos Borges 8 de July de 2016 at 15:47

      Infelizmente não temos Elisangela. Desculpa.
      Acabamos de ver que o site deles saiu do ar.
      Esperamos que tenha uma ótima viagem. É incrível.

    Leave a Reply