Dia a dia

As Termas Geométricas

3 de August de 2013
miniatura

Por incrível que pareça depois de dormir alguns dias em uma bela cama, dormir no carro não nos atrapalhou em nada, acordamos por volta das 10h da manhã, e bem descansados. Quando abrimos a porta de trás notamos que São Pedro não estava de bom humor, ainda chovia. Arrumamos metade da cama, apenas para liberarmos espaço para sentarmos no banco da frente e seguir, hoje fomos até as Termas Geométricas.

Com o carro um pouco bagunçado, e confesso que foi a primeira vez na viagem que ele ficou assim, resolvemos tomar café no Copec, como já disse uma vez, não é barato, mas é conveniente. Foi ai que descobri que o chocolate quente deles não é dos melhores, é mais água que leite… blah!! 

Pegamos chuva o caminho todo, e quando passamos da cidade de Coñaripe a estrada passou a ser de terra, e foi assim até chegarmos na recepção, depois de uns 16km. Logo na entrada já nos impressionamos com o lugar, havia nevado a pouco tempo, o chão estava branco e o caminho de madeira escorregadio.

Entrada nas Termas Geométricas

Entrada nas Termas Geométricas

Pagamos 19.000 CLP (US$ 37) cada um, sim é uma das Termas mais caras, mas pela estrutura do lugar e pela beleza, valeu muito a pena. Assim que pagamos a entrada recebemos nossos cadeados e toalhas, estava bem frio, mas era hora de colocar a roupa de banho e se aquecer nas águas quentes. Antes de ir embora você pode se aquecer no pequeno restaurante que eles possuem.

Há uma tímida cachoeira ao final deste caminho

Há uma tímida cachoeira ao final deste caminho

À esquerda estão os vestiários e por baixo da passarela correm águas geladas

À esquerda estão os vestiários e por baixo da passarela correm águas geladas

Sem conhecer muito do lugar nós caminhamos um pouco e escolhemos a nossa primeira piscina. Ual! Estava muito, mas muito quente, nada menos que 42ºC. O pé até doía ao entrar em contato com a água, mas era preciso escolher ou a água quente ou o frio de fora, não foi difícil e em pouco tempo o corpo começou a se acostumar com a temperatura. Foi ai que começou a melhor parte do nosso passeio, começou a nevar! Que sensação incrível, o lugar estava realmente encantador.

Quando saímos dessa piscina notamos que fizemos algo estranho, o normal é entrar primeiro nas temperaturas mais baixas e ir subindo de temperatura, fizemos ao contrário e que no fim acabou sendo bom, foi mais fácil sair e encarar o frio para se trocar.

Depois de algumas horas aproveitando o local, achamos melhor seguir viagem, ainda precisaríamos trocar nosso dinheiro por dolár e comprar as cadenas. E estavámos decididos a ir até Pucón para fazer isso, seriam mais uns 80km, sem falar que era preciso chegar na cidade ainda com o comércio aberto para fazermos tudo e ai sim, amanhã, entrar na Argentina. Nos programamos para sair às 16h mais ou menos.

Pulamos para a piscina mais fria, marcava deliciosos 38ºC. Perto de nós havia uma cachoeira e nela formava uma piscina de água gelada, os mais corajosos se aventuravam saiam da água quente e entravam rapidamente em baixo da cachoeira… era demais para mim, mas o Marcos, como bom aventureiro, encarou a água antes de partirmos.

Marcos encarando as águas frias!

Marcos encarando as águas frias!

Saímos da Termas ainda nevando, mas o Tdi foi super bem e nada de derrapar! Seguimos dirigindo direto até Pucón, e chegamos com tempo para trocar dólar, comprar as cadenas e ainda comer na La Creperia! Que delícia! Ainda bem que pedimos apenas um, foi suficiente para os dois comerem tranquilamente, e depois, claro, um crepe doce para fechar a noite e nos dar animo para seguirmos na estrada até Loncoche, onde dormiremos em nossa casa, a Copec. 😀

Já passava das 22h quando deitamos, arrumar a cama foi fácil, já que deixamos tudo pela metade… rs! Amanhã é dia de mudar de país, deixar o Chile e seguir para Argentina. Sentirei saudade de país e dos amigos que aqui fizemos.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply