Dia a dia

O Glaciar Perito Moreno

19 de September de 2013
miniaturaGlaciarPerito

Acordamos já certo de irmos ao ponto turístico mais famoso da região, o Glaciar Perito Moreno. Há outros glaciares na região, inclusive maior, mas nenhum tem um acesso tão facilitado quanto esse e não é por menos, o glaciar fica de frente para a ponta da Península Magallanes, que divide o Brazo Rico e o Canal de los Témpanos – ambos fazendo parte do Lago Argentino.

Vista do Glaciar no Primeiro Mirador, já dentro do parque.

Vista do Glaciar no primeiro mirador, já dentro do parque.

O acesso ao glaciar é pelo Parque Nacional Los Glaciares e a entrada para nós do Mercosul custa 90 pesos (algo com o US$15), para Argentinos a entrada sai por $50 pesos e $130 pesos para estrangeiros. O parque estava bem cheio, mas demos sorte em encontrar uma vaga para estacionar o Tdi próximo ao acesso das passarelas de mirador.

Plataformas de acesso aos miradores

Plataformas de acesso aos miradores

É interessante como de longe você já começa a ouvir o canto do glaciar, digo isso porque ele está vivo, em constante movimento e por isso frequentemente se quebra em alguma parte, e quando isso acontece, independente do tamanho do bloco de gelo que se desprende o barulho é forte e único. E nesse momento todos os olhares se voltam para a imensidão de gelo, buscando de onde vem.

Mas por enquanto estávamos só ouvindo, eu estava mais que curiosa em ve um glaciar de perto. O parque é bem estruturado e acessivel para caderantes, o que mostra que qualquer pessoal esta apta a ver essa maravilha da natureza. Não demorou muito e paramos em um mirador e, meu deus do céu, o que é isso! Fiquei de boca aberta (rs!), é simplesmente incrível!

Perito em Preto e Branco

Perito Moreno em Preto e Branco

Uma imensidão celeste

Uma imensidão em branco e azul celeste

Wow! O Perito Moreno é muito grande, ele tem 5km de largura, 14km de extensão, entre 50 e 60 metros de altura (acima do nível da água) e até 160 metros abaixa da água. Uma imensidão sob a terra. Seguimos andando pelas plataformas e paramos o mais perto que podíamos. Não demorou muito para vermos as primeiras quedas, o barulho era muito alto mesmo quando o bloco que caia parecia ter o tamanho de uma bola de futebol! Estávamos encantados e ficamos lá olhando e olhando por horas.

Pequeno despreendimento do Glaciar

Pequeno desprendimento do Glaciar

Valeu a pena ter esperado e ter ficados por lá as 3h que passaram voando, já que segundos antes de irmos, vimos uma queda bem significante! A felicidade de ver e ouvir isso fica estampada no rosto de cada pessoa presente, já que quem vai até lá fica torcendo por isso, é inevitável e algo natural de acontecer.

Acompanhamos esta queda, e foi incrível.

Acompanhamos esta queda, e foi incrível.

Abaixo um poema (em espanhol) que retrata um glaciar:

“Lo milenario parece fragil
Lo eterno se vuelve efimero
Una grieta puede ser una metáfora de lo infinito
Solo los caprichosos arbitrios de un artista
Podrian imaginar las asombrosas imagenes
Que se suceden en el diafano universo de un glaciar.

Es un espacio que parece irreal
De blancos deslumbrantes
Azules profundos,
Y celestes torrentes de cristal.”

Foi difícil deixar a plataforma, a qualquer momento poderia acontecer uma nova queda e não podia perder! Mas não aconteceu. Seguimos até o estacionamento, eu estava com muuuita fome, mas confesso que a cafeteria que tem no dentro do Parque está um pouco cara para nós, então pegamos apenas umas bolachinhas para chegarmos até a cidade, que está a 80 km, e ai sim jantar alguma coisa.

Chegamos de volta no Calafate Hostel e cozinhamos uma pasta com legumes para o jantar. Quando achávamos que o dia estava acabado e poderíamos ir dormir, vimos a resposta de uma agência referente a uma parceria para realizar alguma atividade turística pela região. O Juan, da agência Baft, pediu para irmos até o Hostel I Keu Ken para encontrarmos uma pessoa que teria interesse em nos ajudar e, quem sabe, nós ajudaríamos ele também.

Depois do jantar subimos de carro até o Hostel e encontramos o Martins e o  Juan – não é o mesmo da Baft – ambos são responsáveis pelo passeio turístico de Cavalgada na Estância Santa Teresita. Conversamos entendemos o que eles precisavam e combinamos de ir amanhã até a Estância para fazer fotos e ajudá-los com a divulgação da Cavalgada Santa Patagônia, e eles nos ajudam com o combustível para irmos, hospedagem e alimentação, são 150km até a estancia.

Voltamos para o hostel ansiosos com o amanhã e como seria tudo, não conseguimos falar com a Vivian, do couchsurfing, então mandamos uma mensagem avisando que não iríamos amanhã, mas quem sabe no sábado ou domingo, já que nem nós sabíamos quando voltaríamos.

Fomos dormir empolgados e animados com o fim de semana diferente que teríamos.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply