Dia a dia

E damos mais uma chance a Onça

25 de May de 2013
Passeio de Chalana no Corixo São Domingos

Acordamos bem cedinho e fomos experimentar o quebra-torto, tradicional café da manhã pantaneiro. Tinha de tudo, de frutas a ovos mexidos, até arroz com carne (muito boa por sinal), bem completo.

Antes do berrante tocar estávamos apostos para o safari fotográfico. Subimos no veículo, uma espécie de caminhão com cadeiras enfileiradas ao invés de uma carroceria. Realizando mais ou menos o mesmo trajeto da noite anterior o diferencial ficando para a diversidade de aves que avistamos – Garças, Tuiuiu, Gaviões, Urubus, Cafezinhos, Martin Pescador e ainda o Aracuã, onde o som produzido pelo macho parece dizer “quero matar” e a fêmea responde –  mal deixando o pobre coitado terminar – “quero casar”. Isso além de tantas outras.

Papagaio

No final do passeio a guia, Eliane, chegou a pensar ter avistado uma onça, mas foi apenas um alarme falso,  infelizmente.

Ao chegar a sede da Fazenda San Francisco, o almoço já nos esperava mas o cansaço era grande, eu e a Cau resolvemos dormir um pouco antes de comer, enfim acabamos acordando atrasados para o passeio de Chalana da tarde, e lá se foi um almoço dos bons.

O berrante já nos chamava para mais um passeio, agora de chalana –  tipo uma balsa – pelo Corixo São Domingos e pescaria de piranhas.

Avistamos mais alguns pássaros, e alguns jacarés, enfim paramos para pescar. A Cau pescou uma piranha, ela foi a única entre os turistas. As piranhas são usadas para demonstração da velocidade do Gavião Belo ao pegar sua presa. Sobrou algumas piranhas ainda para dar a dois Jacarés pantaneiros e a uma Garça Maguary. Foi interessante ver a velocidade de cada animal, o gavião foi extremamente rápido ao pegar com o bico, já o jacaré foi lento ao se mover para cima, mas para os lados para pegar a presa ele foi rápido. Já a Garça, toda estilosa ao pegar com o bico.

Voltamos mortinhos de fome e havia um belo café da tarde servido, com bolos, pipoca e sucos. Ainda tivemos uma bela vista do Pantanal a partir da sede da fazenda.

Um belo pôr do sol na Fazenda San Francisco

A noite o carro já nos esperava para nossa última focagem noturna, subimos apenas com mais um casal e os guias. Apesar de ter sido mais ‘fraco’ que a noite anterior avistamos animais extremamente raros – tatu galinha, veado pantaneiro e uma jaguatirica de muitooo perto, coisa de 2m, e ela nem ligava para nossa presença.

Tatu Galinha

Chegamos cansados, o dia seguinte seria nossa despedida desse pequeno grande paraíso.

EmpresAmigaPara viver a experiência citada acima contamos com o apoio de uma EmpresAmiga, clique aqui para conhecer todas as empresas que de alguma forma nos ajudaram (alimentação, turismo e/ou hospedagem).

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply