Dia a dia

Chegando na Praia do Aventureiro

21 de June de 2014
bem vindo ao aventureiro

Quando – finalmente – decidimos o trajeto inicial da segunda perna, Ilha Grande ficava só alguns km fora do percurso, mas eu já havia ido uma vez e queria retornar e mostrar para a Cláudia a tranquilidade que era a Praia do Aventureiro. Então decidimos por incluí-la no caminho.

Como chegamos

Nos despedimos do pessoal do Green Haven Hostel e seguimos pela BR-101 até Angra dos Reis. Foi tão perfeito os dias na região em 2011 que até o estacionamento foi o mesmo dessa vez. O estacionamento fica na Rua Poeta Brasil dos Reis, na praia do Anil, você leva a chave e o dono ainda te leva até o cais e te indica exatamente qual barco pegar dependendo de onde quer ir na ilha.

Após ir ao mercado que tem na Av. Júlio Maria nós voltamos ao barco do Mestre Ernani (seg., qua. e sex. R$25p.p – confirmar no tel. (24) 9 9998-8668 / 9 9858-0154). Há ainda outro barco (Miss Angra) que realiza o mesmo trajeto nos outros dias. Já no barco, mas ainda tendo quase 1h até a saída, eu resolvi ir a área de embarque dos barcos turísticos de Angra e perguntar se precisava se registrar para entrar na Praia do Aventureiro. Eles informaram que sim e começou a correria para ir até o Centro de Informações Turísticas que fica na Praia do Anil – do lado do estacionamento que deixamos o TDI – se registrar e pegar a fitinha para por no pulso. É gratuito. Voltamos correndo e chegamos a tempo para embarcar.

O barco do Mestre Ernani vai para Provetá, uma vila antes da Praia do Aventureiro, se tiver em grupo grande – e o mar tranquilo – é possível combinar para ser levado até a praia por um custo adicional. O caminho foi relativamente tenso, assim que se ficou em mar aberto as ondas chegaram a assustar a Cau – era a primeira vez dela em mar aberto -, não se via o horizonte e um barco ao nosso lado chegava a ficar ora acima do nosso barco, ora abaixo.

Pouco mais de 1h45 após partir de Angra dos Reis, chegamos em Provetá e pegamos o outro caminho para a Praia do Aventureiro, caminhando – são mais ou menos 3,5km de trilha. Iniciamos o caminho com um casal alemão, mas a trilha pesada e nosso preparo longe dos melhores, logo ficamos para trás. A trilha é basicamente dividida em uma subida constante e em poucos trechos relativamente íngreme e uma descida não muito longa porém bastante íngreme em quase toda extensão.

Nós chegamos ao topo com pouca visibilidade e aí acendemos nossas headlamps para realizar a descida, passamos por um casal que caminhava com dificuldades, já que carregavam dois galões de água e diversas sacolas nas mãos. Escutamos por diversas vezes o barulho deles caindo na descida, é importante lembrar a todos, mantenha sempre as mãos livres quando fazendo uma trilha, uma boa mochila ajuda a evitar acidentes.

A Praia do Aventureiro

Dia 01

Finalmente chegamos a praia! Já se passava de 18h só se via as luzes mantidas por geradores. Repetindo novamente a estadia de 2011, ficamos no Camping do Luis (R$15pp.). Para quem vem pela trilha é o primeiro camping e pelo cais é no final da praia. O Luis tem feito um trabalho bacana no camping e hoje tem uma estrutura incrível para as condições.

Entrada do Camping do Luis na Praia do Aventureiro

Entrada do Camping do Luis

Após um banho, resolvemos ir jantar e caminhando pela escuridão da praia fomos em busca do mesmo lugar onde eu havia jantado quando estive lá, lembrava muito bem do PF farto que havia no início da praia e ainda continuava assim. Lá encontramos o casal alemão e batemos mais um papo com eles. Voltamos para o camping e direto pra cama, cansados. O camping tem duas áreas, a primeira logo em frente a lanchonete, abaixo de diversas amendoeiras e a segunda mais no alto cobertas por lonas. Nós resolvemos ficar na área embaixo das árvores pois ficava em frente ao mar e estava mais vazio.

Veja a segunda parte de nossa passagem pela Praia do Aventureiro aqui.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply