Dia a dia

Chegamos em Ouro Preto!

31 de July de 2014
Ouro Preto

Deixamos Congonhas era por volta das 11h da manhã, nosso destino era a cidade de Ouro Preto. Não tínhamos muita noção do que esperar da cidade, mas certamente passaríamos por ela. E para lá fomos, terminar a primeira etapa da Estrada Real, chegaremos ao fim o Caminho Velho.

Logo na saída da cidade uma pedra atingiu o vidro do Tdi, e de acordo com o que buscamos na internet a pedra pegou bem na área crítica do vidro, ou seja, teremos que troca-lo. PQP! Fiquei muito, mas muito brava na hora! Poxa, acabamos de trocar o vidro por conta de outra pedrada que tomamos quando saíamos do Parque Nacional Torres del Paine. E isso implica em mais grana para gastar. Bora vender os copos para levantar uma verba.

Não tinha o que fazer, pelo menos o trincado não começou a abrir, ficou só o ponto, onde a pedra bateu. Em Belo Horizonte veremos como resolver esse “probleminha”. Chegamos em Ouro Preto e fomos em busca do Trilhas de Minas Hostel, nossa casinha aqui na cidade. As ladeiras são uma marca da cidade, não tem como fugir. Rodamos um pouco, sem saber onde estávamos já que no posto de informação turística não tinha ninguém para nos atender e pegar um mapa.

Não demorou e paramos para eu perguntar, pelo menos a direção da Praça Antônio Dias. Descoberto isso seguimos e em pouco tempo encontramos nossa casinha! 😀 Estacionamos ao lado da Igreja Nossa Sra da Conceição, a mesma está fechada para restauração e em algum tempo – ninguém soube nos dizer quantos anos para terminar – será um pelo espetáculo em frente ao hostel.

Hostel Trilhas de Minas

Fachada do hostel Trilhas de Minas

Depois de conhecer o Valter e a Jussara, donos do hostel, e já instalados nos quarto ficamos conversando sobre as opções do que fazer na cidade. E olha que não é pouca coisa! Dentre todas as opções fomos conhecer a Casa dos Contos.

Caminhos de Ouro Preto

Pelas ruas de Ouro Preto

Depois de muito sobe e desce de ladeira chegamos na Casa dos Contos, o bom é que para entrar é de graça, um dos poucos lugares assim por aqui. Logo na entrada o segurança/guia te dá as coordenadas para onde ir. Seguimos para uma salina onde passava um vídeo contando um pouco sobre a história do lugar. Saímos de lá e começamos a seguir o roteiro da casa.

Tudo muito incrível, a história da moeda, de como foram feitas as primeiras peças, mostrando o processo de fundir o ouro e fazer ele virar uma moeda – de forma manual. E fomos navegando pela história até os dias de hoje! Foi bem interessante.

Antes de sair fomos conhecer um dos cômodos mais interessantes da casa, a Senzala. Lá dentro está a cozinha dos escravos, não dá nem para dizer que é simples, a única estrutura que havia ali era a do forno, como um forno a lenha – desses que conhecemos hoje. Depois ainda conhecemos o local onde eles dormiam. Um local onde a tristeza, dor e sofrimento esta marcada. Não tem como não sair de um lugar desse com a mente pesada e dor de saber que muita coisa foi construída e conquistada em cima da ignorância da escravidão. Vergonha deste passado.

Ainda na senzala há os objetos que foram encontrados ali, peças de uso na cozinha, peças de trabalho e, claro, peças de uso dos brancos para maltratar os escravos.

Já era quase fim de dia quando chegamos no hostel, amanhã é dia de entrar em uma mina de ouro, sim uma verdadeira Mina de Ouro, que foi ativa durante o sec.XVIII e muita riqueza sai daquelas terras.

Veja abaixo o mapa com a localização do Hostel Trilhas de Minas e para reservar direto no Booking.com clique aqui.

EmpresAmigaPara viver a experiência citada acima contamos com o apoio de uma EmpresAmiga, clique aqui para conhecer todas as empresas que de alguma forma nos ajudaram (alimentação, turismo e/ou hospedagem).

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply