Dia a dia

A última despedida ‘final’

18 de June de 2014
Despedida Tequila

De coração apertado chamamos os amigos, carne na grelha e cerveja gelada, exatamente como queríamos. Fazendo o que gostamos com quem mais amamos. Na TV, passava a estréia da Argentina na Copa do Mundo, mas nada dos hermanos nos importava, queríamos o calor dos últimos abraços e as palavras carinhosas de quem sabia que aquilo não era um adeus, apenas um até logo, pois o que não faltou foi promessas de nos encontrar pelas estradas. Vamos cobrar!

Ao final todos se foram, mas não nós, dessa vez ainda ficaríamos mais um pouco na casa dos pais da Cláudia. Não queríamos as lágrimas da primeira despedida, preferimos um último almoço em família na segunda – com os pais dos dois – e enfim chegou a terça, nunca esteve nos planos sair neste dia (17/06), mas visto que queríamos aproveitar ao máximo a despedida do domingo e não ligar para a provável resseca do dia seguinte, ficou para este dia a última despedida ‘final’. Beijos, recados, lágrimas, mensagens de força e incentivo. Sabíamos que a despedida da família seria das mais difíceis, sendo a última despedida – do irmão, cunhada e nosso lindo sobrinho Mateus. Não sei como é possível, mas ainda encontramos mais algumas lágrimas e meio dia – quase em ponto – fomos embora.

Depois de uma última passada nas marginais Pinheiros e Tietê – um sentimento misturado me veio neste momento – tantas vezes nos últimos anos essas duas vias foram tão necessitadas por mim, tantas histórias curiosas ocorreram nelas e a importância de cada uma é inegável. Agora, ela nos leva – pelo que esperamos – pela última vez até nosso destino final, afinal este é o caminho mais longo até a Austrália.

Pela Dutra (BR-116) seguimos em direção a Ubatuba, nossa primeira parada nesta segunda parte da volta ao mundo, mais precisamente no Green Haven Hostel, na praia do Perequê-Açu. Chegamos por volta das 17h, no finzinho do primeiro tempo do jogo do Brasil contra o México. Já de noite, após o infeliz empate brasileiro, nos encontramos com a Isabel, quem editou nosso guia, a Cau havia trabalhado com ela em São Paulo mas não lembrava que ela morava na cidade. Fomos a uma cervejaria no centro da cidade. A adrenalina já baixava e o cansaço começou a bater, voltamos ao hostel e fomos diretamente para cama.

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Viagem de surpresa para meu irmão! - A 4 Pés 15 de August de 2014 at 23:12

    […] pouco mais da família. A noite seguiu animada, revi minha amigas, bati um papo e não bebi muito como no último churrasco de despedida! kkkkk Nesta noite dormimos na casa da mãe do Marcos, matar a saudade, amanhã é dia de […]

  • Leave a Reply