Dia a dia

Cachoeira do Buracão | Chapada Diamantina

13 de October de 2014
cachoiera-buracao

Saímos de Mucugê um pouco tarde para fazer esse passeio, ficamos na pousada até o Marcos terminar um trabalho e ai pegamos a estrada. Isso que ainda queríamos fazer a Cachoeira do Buracão e a Cachoeira da Fumacinha (mas o guia nos disse que esta última estava sem água e também não daria tempo de aproveitar os dois, para isso era preciso ter saído cedo).

Dá-lhe estrada!!!

Dá-lhe estrada!!!

Ibicoara está a 78km de Mucugê e chegamos lá em menos de 1h, o caminho é todo asfaltado. 🙂 Era 12:20 quando encontramos um guia, o João, ele disse que já estava tarde para ir, mas que dava tempo e iria nos levar. O Parque Natural Municipal do Espalhado só permite a entrada até às 15h, porém o tempo de permanência é mais tranquilo e pode se estender, é só combinar com seu guia. O João disse que quando chega antes das 12h é melhor, dá para pegar o sol lá embaixo, o que não foi um problema para nós, mesmo sem o sol batendo direto o lugar é lindo demais.

Mapa Chapada - Cachoeira do Buracão (Fonte: Guia Chapada Diamantina)

Mapa Chapada – Cachoeira do Buracão  (Fonte: Guia Chapada Diamantina)

De Ibicoara até a portaria do parque são 28 Km e até o estacionamento tem mais 7.5km, ambos de terra e muita poeira. A trilha até o poço da cachoeira, onde é possível nadar entre o canino formado não levou mais que 1h, o sol entre nuvens ajudou na caminhada. A trilha é bem leve, praticamente tudo plano, e acho que os últimos 10min é que foram de descida (ou seja, subida na volta).

Marcos se preparando para a trilha

Marcos se preparando para a trilha

Um pouco de trilha fechada , ajuda a refrescar

Um pouco de trilha fechada , ajuda a refrescar

Caminhando ao lado do rio, época de seca é assim

Caminhando ao lado do rio, época de seca é assim

Algumas poças de água

Algumas poças de água

Mas antes de descer uma parada para ver a cachoeira de cima, e ter a real noção do Buracão. As águas são escuras, bem diferente do que vimos ontem – Poço Encantado e Poço Azul. A altura da queda d’água é de aproximadamente 90m.

Marcos ao lado da queda da Cachoeira do Buracão

Marcos ao lado da queda da Cachoeira do Buracão

Agora sim, já embaixo, colocamos os coletes e caímos na água. Para os mais corajosos é só se informar com o guia de onde é melhor para entrar pulando e encarar a altura e as águas escuras que não deixa ver onde há pedras.

Ansiosos para ver a Cachoeira do Buracão de perto

Ansiosos para ver a Cachoeira do Buracão de perto

Sem muitas aventuras aqui, fomos com calma. Entramos cautelosos e fomos boiando de costas, admirando tudo que estava ao nosso redor, uma visão incrível do canion e até aqui só o som da cachoeira. Era preciso nadar mais um pouco para conseguir ver e a ansiedade fazia o bater de pernas se acelerar, mas com cuidado com as pedras que estavam pelas laterais e algumas por baixo.

Cânion a caminho da Cachoeira do Buracão

Cânion a caminho da Cachoeira do Buracão

Ansiosos para ver a Cachoeira do Buracão de perto

Ansiosos para ver a Cachoeira do Buracão de perto

Cachoeira do Buracão ao fundo

Cachoeira do Buracão ao fundo

Depois de algumas pernadas um olhar para a direita e lá estava ela! Linda e alta, fiquei emocionada com tanta beleza e feliz por poder estar ali. O Marcos era só risos, assim como os dois caras que estavam na água. O guia disse que era possível nadar até a beira da queda e entrar embaixo da cachoeira, ficar de pé. E lá fomos nós.

O guia do outro grupo nos ajudou (o João não é muito fã de água.. hehehe), nem era tanta água, mas quando se esta embaixo da queda parece um mundo de água. Ficamos lá uns bons minutos curtindo o visual incrível e se sentindo abençoados por estar ali. A água era morna, acho que foi meu primeiro banho de cachoeira de água quente. hehehehe.

Tomando banho de Cachoeira!

Tomando banho de Cachoeira!

Na época de cheia é possível apenas nadar até próximo da queda da água, soltar o corpo e deixar a correnteza te levar. Mas nesta época do ano é preciso acelerar um pouco o processo nadando. Aproveitamos o quanto podíamos e decidimos voltar. Dessa vez não voltamos por água, pois há uma opção de cruzar via um ponte de madeira e caminhar pelas pedras, mas não teve tanta graça.

Deixamos o João na cidade de Ibicoara, acertamos as contas com ele compramos um lanchinho e seguimos para o posto que vimos na ida e já sabíamos que era lá que dormiríamos. Foram poucos quilômetros, vimos um lindo pôr do sol na estrada e chegamos no posto era noite. Aproveitamos e fizemos uma bela de uma faxina no carro, não dava para dormir dentro dele naquela situação… MUITO PÓ E TERRA!!!

O frentista do posto nos deu uma fichinha para o banho, então depois de carro limpo era hora de nos limpar! BANHO!!! Tive seis longos minutos para me lavar, foi o melhor banho dos últimos tempos! O chuveiro do Marcos parece que não funcionou tão bem e ele tomou banho frio, o que não é um problema para ele.

Banho tomado era hora de jantar, comemos no kilo do posto e deu apenas R$15,00 para os dois jantares bebida mais um chocolate de sobremesa! A refeição mais barata! Vamos deixar para cozinhar amanhã, onde dormiremos afastados da cidade/estrada.

Custos desse passeio

Guia João – R$ 40,00 por pessoa
Entrada no Parque – R$ 6,00 por pessoa

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Fabio Santos 1 de May de 2016 at 21:13

    Muito top o sul da Chapada Diamantina. Tinha planos de conhecer Ibicoara somente durante dois dias e acabei ficando 10 dias no lugar. Lugares como Buracão e Fumacinha vale fazer em dois dias, principalmente a Fumacinha por ser uma trilha longa. As cachoeiras do Rio Preto, Véu da Noiva, Andorinhas e Licuri são menos conhecidas mas que oferecem excelentes banhos. O povoado da raposa é outro paraíso intocável na Chapada Diamantina, com duas cachoeiras de 160 metros. Enfim são vários atrativos. Ibicoara oferece alguns bons retsaurantes como Casa da Roça e Dom na Panela. Agora o mais importante é tentar ir com o próprio carro pois ficará mais fácil para descobrir todos esses atrativos.

  • Leave a Reply