Dia a dia

Uma semana em Natal, na mecânica

4 de November de 2014
capa-volta

Chegamos em Natal era fim de tarde de segunda feira, ficamos hospedados na casa da Nathalia, irmã da minha amiga Deise. Ela caiu na besteira de nos oferecer asilo e nos aceitamos!! hehehe. Quando chegamos lá ela já havia voltado do trabalho e seu padrasto também. Estava calor, mas realmente aqui é bem mais fresco que Mossoró. A Na não foi para aula e aproveitamos para conversar um pouco. Ficamos com o quarto dela e ela no quarto da mãe, que estava viajando, então não íamos atrapalhar… muito.

Na terça de manhã fomos até a 4×4 Excellence, conforme o Luiz nos indicou, o Matsunae já nos aguardava e logo nos atendeu. A primeira impressão foi muito boa. Passamos o dia lá, almoçamos no posto junto com o pessoal dele e aguardamos arrumar algumas coisas. O dia se resumiu em tentar resolver o barulho das rodas traseiras – das pastilhas de freio – e apagar a luz do 4×4 que continuava acesa.

Saímos de lá com os itens acima resolvidos, gastamos um pouco, e amanhã voltaremos aqui, ficaram uns ajustes para trás. Vamos aproveitar e levar o carro para alinhar e balancear também. Passamos no cara do ar condicionado para ele dar uma olhada, estamos com ele “quebrado”. Foi questão de minutos e uma troca de fusível e tudo voltou a funcionar. UFA! Combinamos de trazer o carro aqui amanhã para ele olhar o pinga-pinga que fica dentro do carro. Esperamos resolver este também.

Na quarta feira voltamos no Matsunae e trocamos o óleo e algumas peças do Tdi que estavam velhas, ressecadas e estragadas…. essa brincadeira saiu um pouco salgado para nós (caso interesse deixe uma mensagem aqui que falamos mais dos valores), mas era preciso fazer. Na saída da 4×4 Excellence passamos novamente no cara do ar-condicionado e deixamos o Tdi lá por algumas horas para arrumar o pinga-pinga.

Era umas 15h quando voltamos para pegar o Tdi e assim que demos a volta pelo quarteirão choveu nos meus pés, ou seja, não havia arrumado nada. Voltamos lá e o cara pediu para trazer o carro bem cedinho no dia seguinte pois ele teria que tirar a caixa do ar-condicionado para analisar direito onde vazava. O Marcos nessa hora fez uma cara feia, acordar cedo não é com ele, então achamos que não seria um problema deixar o carro e buscar no dia seguinte, quando ficar pronto. E assim fizemos.

A semana esta cansativa e até agora conhecemos bem pouco de Natal e acho que não mudará muito, combinamos de sair com a Natalia e o namorado dela no fim de semana… mas enquanto sábado não chega voltamos a focar no Tdi. Na quinta feira antes do das 11h buscamos o Tdi e agora sim o ar está ok! Funcionando, refrescando o calor e não pinga mais nos nossos pés, essa é a melhor parte. 🙂

Na sexta quando saímos do Matsunae era pouco depois da hora do almoço e fomos direto para a Goodyear HC Pneus para balancear e alinhar, mas acabamos não ficando. Iria demorar mais de 1h para sermos atendido, fora o tempo de serviço deles e o Marcos precisava trabalhar. Decidimos voltar para casa da Natalia e voltar aqui no sábado de manhã.

E o que seria nosso sábado de curtir Natal começou com o Tdi no elevador da HC Pneus, para alinhar e balancear, mas voltaríamos para almoçar em casa e sair depois do almoço. Bom, não me pergunte como isso aconteceu, mas não foi possível alinhar o carro, os pneus foram balanceados, mas a máquina não estava calibrada e não daria para finalizar o serviço. Saímos de lá em busca de outra mecânica, mas o comércio já estava fechando e não foi possível encontrar. De longe vi uma loja da Pirelli, pronto, resolvido, segunda feira, depois do nosso último dia na 4×4 Excellence passaríamos lá.

Depois de um ótimo fim de semana em companhia da Nathalia e do João Felipe, tivemos uma longa e dura segunda feira. Trocamos os pneus, alinhamos e balanceamos o Tdi. Com relação a troca de pneus nós pesquisamos bastante e depois de algumas ligações para algumas lojas de Manaus – onde pensávamos que seria mais barato fazer a troca – vimos que deixar para comprar lá não iria economizar em nada e ainda corríamos o risco de chegar lá e não ter em estoque. Nossos pneus estavam vencidos desde 2012, quando compramos o Tdi, quase carecas e bem ressecados. Então decidimos trocar aqui mesmo, e depois de uma dura (dura = “muito $” heheh) semana de ajustes no Tdi e de comprar 4 pneus de R$638,00 cada um chegamos a uma conclusão, era hora de dar meia volta e voltar para Osasco, voltar para nossa casa temporária. Nossa grana encurtou demais, além do planejado e adiantamos a volta.

Voltaríamos de qualquer forma em Fevereiro de 2015, mas sem grana e tendo que manter um carro não dá para viajar longos trechos, não daria para fazer o percurso que queríamos. Paramos e pensamos muito, enquanto os pneus novos eram colocados, não ficamos de cabeça quente e para minha surpresa e do Marcos eu não me desesperei, claro que não deu para segurar algumas lágrimas, mas antes de explodir começamos a pensar no lado positivo desse nosso retorno antecipado.

Isso é certamente algo que sinto que eu já mudei completamente nesses meses de estrada, sempre, sempre há um lado positivo para tudo que acontece, basta manter a calma para enxergar e conseguir um sorriso em meio a tempestade.

Não contamos para ninguém nossa decisão, por enquanto será uma decisão apenas nossa, sem influências, difícil, muito difícil, mas assim será, estamos juntos nessa e juntos decidimos. Assim que chegar em Mossoró e arrumar nossas coisas iremos conversar com nossos país e explicar a situação para eles.

Amanhã é dia de voltar para Mossoró e começar a fazer o caminho que não queríamos fazer, não agora, não dessa maneira. Mas é hora de voltar.

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply Manu 28 de November de 2014 at 09:26

    Meus amores! Com certeza essa decisão foi difícil, imagino que difícil até demais… Mais é com sorriso no rosto e cabeça erguida que conseguimos ser criativos e encontrar uma nova solução para realizarmos nossos sonhos! Por isso desejo muita força e muita luz para que o sonho de vocês continue repleto de sorrisos! Beijo grande!

    • Reply Cau 29 de November de 2014 at 14:01

      Ai amiga, e como foi difícil, queríamos muito ter passado ai para ter um colo de vocês, mas os acontecimentos na volta nos fizeram querer voltar direto para Oz. Parece que cada vez que dizíamos “vamos passar em Vitória” algo acontecia e voltava nosso pensamento em ir direto embora, e foi na terceira vez que decidimos “ouvir” essa voz e voltar direto, sem mais perrengues. Saiba que torço muito, muito por vocês também e estaremos aqui esperando a vinda de vocês ano que vem!!
      Desejo em dobro toda a felicidade que vocês nos transmitem, muita luz para vocês.
      Saudades e nos vemos na estrava.
      beijos

    Leave a Reply